Foi a melhorar a sua prestação que Alejandro Martins e Manuel Porém concluíram a participação na edição deste ano do Rali de Marrocos, a penúltima prova da Taça do Mundo de TT. A equipa que compete ao volante de uma Toyota Hilux preparada pela MRacing fechou a sua presença pelas pistas do Norte de África com o 18º à geral e a consciência plena da capacidade de subir na classificação com a experiência conquistada.
A dupla portuguesa começou muito bem a sua participação no Rali de Marrocos. Um tempo entre os dez melhor no prólogo não só foi motivador como serviu para confirmar o potencial de Alejandro Martins no regresso às exigentes pistas marroquinas. O desafio deste tipo de provas, com especificidades completamente distintas da realidade do campeonato português, fez com que piloto e co-piloto tivessem de superar os obstáculos nas etapas seguintes. O tempo cedido em alguns dos dias não retirou a confiança no potencial da equipa que sabia poder andar com  regularidade mais perto das melhores formações de TT do mundo.
Para o responsável da equipa MRacing, Manuel Russo Jr., o balanço deste regresso a Marrocos é positivo.

“Foi uma corrida de montanha russa para nós que começámos e acabámos bem. O Alejandro sente-se cada vez mais a vontade com este tipo de terreno e um grande resultado numa corrida de rally raid seguramente está próximo”,

afirmou.
Para toda a equipa MRacing, o regresso ao Rali de Marrocos foi mais um desafio superado.

“Foi uma corrida desafiante para nós. Além das dificuldades naturais do terreno, ainda tivemos a uma excelente concorrência presente. No entanto, saímos de Marrocos com a cabeça erguida e a sensação de dever cumprido. Quero fazer um agradecimento especial ao Alejandro, ao Manuel e a todos os elementos da minha equipa técnica que estiveram irrepreensíveis, seja pela dedicação, seja pelo esforço demonstrados”,

concluiu Manuel Russo Jr.
A dupla de pilotos contou com o contributo de uma Toyota Hilux cujo desempenho esteve sempre no máximo. Apesar de vários furos, fruto da dureza do terreno encontrado, o carro não sentiu qualquer dificuldade técnica ao longos dos vários dias de competição em condições extremas.
Alejandro Martins ficou satisfeito com esta participação e já pensa no regresso.

“O balanço geral foi positivo. Este rali ganha-se e perde-se nas dunas. Para entrar dentro do top-ten, é preciso ter um bom carro, fazer uma boa navegação, ter uma boa equipa e um piloto que também ajude a andar para a frente. Penso que tivemos tudo isso. Mas faltou um pouco de sorte. Furámos cinco vezes, tivemos um problema com os macacos hidráulicos e atascámos duas vezes. As etapas são muito rápidas e é preciso ter um carro com muita velocidade de ponta, como são os casos dos buggies e dos Peugeot. O Nasser (Al-Attiyah) é um caso à parte. Estou satisfeito e quero dar um abraço muito especial para a nossa comitiva de amigos que se divertiram à grande, para toda a equipa técnica e para o meu co-piloto que esteve sempre em grande nível ! Até para o ano. Aí sim, vamos arrancar um top-ten!!!”, 

afirmou Alejandro Martins.
A MRacing regressa agora a Portugal para preparar nova prova de todo-o-terreno, a Baja Portalegre 500, que se realiza de 26 a 28 deste mês. “Vamos aproveitar a viagem para mudar a ficha dois a ‘nossa’ rainha do TT está à porta”, afirmou o responsável da equipa.


Comunicado Oficial