Já no final do primeiro dia da Baja de Portalegre, onde está pela primeira vez, uma passagem de água condicionou o resultado final de Diogo Ventura na primeira jornada da prova alentejana. Aos comandos da sua Honda o piloto da Lousãmotos viu o motor 'calar-se' e o tempo perdido para voltar a colocar a moto em funcionamento fez com que terminasse o dia na 25ª posição, ele que tinha sido 19º após os 3.560 metros do prólogo matinal.

"Esta manhã o pó acabou por condicionar o meu andamento. Tive um número muito alto que me levou a partir junto de pilotos mais lentos. A visibilidade no prólogo era nula, ou quase, e não arrisquei em nada. Durante a tarde consegui um ritmo melhor, estava a tentar recuperar, mas quando a moto se calou perdi uns bons cinco minutos para a colocar de novo em funcionamento e isso estragou o resultado."

Revelou o piloto de Góis depois de colocar a sua Honda no Parque-Fechado na Nerpor junto à cidade que acolhe aquela que é a mais importante prova do TT nacional. Amanhã cumpre-se o segundo dia de prova, com pouco menos de 350 quilómetros de extensão e que serão decisivos para a classificação final da prova. Um dia que se prevê longo e muito exigente do ponto de vista fisico e técnico para o qual o piloto da Alves Bandeira tem já uma estratégia definida.

"O meu principal objectivo sempre foi aprender o mais possível nesta estreia e terminar o mais acima que conseguisse em termos de classificação geral. Vou estar um pouco mais condicionado com o 25º lugar que ocupou mas vou tentar me divertir e recuperar as posições que seja possível. Vai estar novamente muito calor e o piso será de novo muito traiçoeiro para todos nós e por isso vou encarar o dia com uma margem de segurança." 

comentou igualmente o piloto do Góis Moto Clube.


Comunicado Oficial