SEBASTIAN BUHLER E JOÃO VALE FORAM OS GRANDES VENCEDORES DA TERCEIRA PROVA DA TEMPORADA


Depois do periodo festido do Natal e passagem de ano, os participantes do Troféu X-Trophy regressaram às pistas para disputarem a terceira ronda do X-Trophy 2017/2018, realizada em Ponte de Sor no passado dia 14 de Janeiro.  Esta jornada organizada pelo Radical Club de Ponte de Sor viria a ser coroada de sucesso não só pela vasta lista de participantes que apresentou como pela forma como as 2 corridas do programa viriam a ser disputadas.

Ponte de Sor já na edição passado do X-Trophy havia figurado no calendário, regressando este ano com um circuito renovado e com condições de segurança melhoradas. Os mais de 15 quilómetros de pista, rápidos na sua maioria provaram ser um desafio à altura dos participantes, tendo no entanto exigido bastante trabalho à organização na sua preparação, sobretudo devido ás chuvas que cairam nos dias antes da prova o que levou a um trabalho suplementar de drenar algumas zonas que poderiam ter sido mais complicadas.  
A chuva acabou assim por eliminar por completo alguma poeira que ainda restasse, mas permaneceram algumas zonas de água e piso mais escorregadio, exigindo um pouco mais aos pilotos, alguns deles bastante molhados sobretudo nos quads, que habitualmente mais sofrem com este tipo de condições.  Porém, apesar das dificuldades, a opinião geral entre os participantes era de agrado com as condições da pista e da prova.

O X-Trophy voltou a apresentar uma lista de participantes bastante numerosa perto de centena e meia de participantes, com cerca de noventa inscritos nas motos e os restantes nas Moto4.  Nas motos a lista era liderada uma vez mais por Sebastian Buhler aos quais se juntavam David Megre, Luis Correia e Martim Ventura só para citar alguns.  Nas Moto4 João Vale apresentava-se como um dos favoritos, ao qual se juntava Firmino Salazar, Daniel Bernardo, André Bronze e Joni Fonseca.   
Esta prova teve ainda a particularidade de ser a primeira das provas bonificadas desta edição do Troféu, o que significava pontuação a dobrar. Porém, para os pilotos conseguirem receber os pontos, em vez dos habituais noventa minutos de competição, tiveram que enfrentar 120 minutos (2 horas) até receberem a bandeira de xadrez.

SEBASTIAN BUHLER INTOCÁVEL
Sebastian Buhler continua a demonstrar um ritmo superior á concorrência e uma capacidade de adaptação a qualquer tipo de terreno realmente extraordinária. A sua rapidez permitiu-lhe uma vez mais subir ao lugar mais alto do pódio, numa corrida onde andou sempre na frente e relativamente longe dos seus adversários.  Durante as duas horas que durou esta corrida, o jovem piloto da Yamaha YZF 450 consegui dar 11 voltas ao extenso percurso de Ponte de Sor e terminar com uma vantagem superior a cinco minutos face ao segundo classificado que desta vez foi Luis Correia, também ele em Yamaha YZF 450.  
Mas se a prestação e os resultados de Sebastian Buhler impressionam, não menos impressionante foi a prestação de Martim Ventura que com uma pequena Yamaha de 125cc conseguiu também completar onze voltas à pista ascender ao terceiro lugar da geral e vencer a classe TT1.   Este piloto ainda bastante jovem consegue andar a um ritmo incrivelmente rápido e manter uma segurança na sua condução a um nivel que só os mais experientes conseguem, sendo espelho disso os excelentes resultados que tem vindo a fazer durante esta temporada do X-Trophy.
O quarto classificado nesta prova foi o conhecido David Megre, que participou com uma KTM EXC300 com a qual completou dez voltas à pista durante as duas horas regulamentares. Em quinto lugar terminou o primeiro piloto de um das classes FUN, no caso Daniel Vital que com a sua Honda CRF 450 foi o primeiro da classe TT2-FUN.Sebastian Buhler

Por classes, nas TT2 destinada aos pilotos Federados foi Sebastian Buhler quem venceu, com Luis Correia a ser o segundo classificado e David Megre o terceiro.
 Já nas TT1, como referimos atrás venceu Martim Ventura, tendo sido mesmo o unico da classe a conseguir dar onze voltas à pista.  Flávio Carvalho em Yamaha YZF250 e João Duarte também em Yamaha YZF250, ambos com dez voltas, foram o segundo e terceiro classificado respectivamente.Martim Ventura

Nas classes FUN destinadas aos pilotos não federados houve também muita luta pelos lugares da frente, com vários dos pilotos destas classes a lutarem também pelos melhores lugares da geral.   Na classe TT1 FUN venceu Dário Cassiano em Suzuki RMZ 250 com dez voltas realizadas.  Também com 10 voltas, e com uma Yamaha YZF 250 terminou Jorge Cerca que foi assim o segundo classificado. Em terceiro, com nove voltas realizadas terminou Oscar Cardoso, também em Yamaha.
 Dario Cassiano

Daniel Vital em Honda CRF 450 foi o vencedor da classe TT2-FUN com dez voltas realizadas.  Com o mesmo numero de voltas, mas 8m30s de distancia terminou Marco Virtuoso que foi assim o segundo classificado da classe aos comandos de uma Husqvarna.  Carlos Moreira em Kawasaki  subiu ao terceiro posto com nove voltas.
Nos veteranos, venceu Paulo Vicente, que foi o décimo sétimo da geral e quinto da classe TT2-FUN, classe em que participou nesta prova.


LUTA INTENSA ENTRE JOÃO VALE E DANIEL BERNARDO ANIMOU A PROVA DOS QUAD
A prova das Moto 4 teve uma luta particularmente intensa pela vitória com dois intervenientes diretos e e um pequeno grupo perseguidor que andou sempre muito próximo.  A assumir todas as "despesas" estiveram João Vale e Daniel Bernardo que andaram taco a taco durante quase toda a prova perseguidos por numa fase inical por Tomas Paulo, Firmino Salazar e Joni Fonseca e André Bronze, sendo que Tomas Paulo iria parar à quarta volta e André Bronze viria a atrasar-se em virtude de um erro de calculo da autonomia da sua moto, ficando parado sem gasolina.
Durante quase todas as voltas foi João Vale que passou na frente na linha de meta até que à nona volta finalmente Daniel Bernardo conseguiu passar na frente seu adversário. 
Porém a prova de Daniel Bernardo iria terminar de forma abrupta poucas centenas de metros adiante em virtude de uma queda algo aparatosa mas sem consequencias fisicas de maior para o piloto. Já a moto viria a sofrer bastante, não restando outra opção senão desistir. Porém ainda faltavam alguns minutos para o final, minutos esses suficientes para permitir aos adversários directos de Daniel Bernardo concluir mais uma volta, relegando-o para quarto lugar. João Vale regressou ao primeiro posto onde tinha estado durante quase toda a corrida, Firmino Salazar que andou na maior parte do tempo em terceiro viria a subir a segundo e Joni Fonseca que fez uma corrida de recuperação desde o sexto lugar viria a terminar em terceiro.
 João Vale

Quanto á classificação por classes, a classe Q1 (FMP) ficou com a classificação idêntica à da geral:  Venceu João Vale, seguido de Firmino Salazar em segundo e de Joni Fonseca em terceiro.   Na classe Q2 Pedro Mendonça venceu de forma algo folgada com uma volta de vantagem sobre Pedro Pereira que terminou em segundo e com três voltas de vantagem sobre o terceiro que foi Tiago Ferreira.

Nas classes FUN a adesão seguiu o mesmo padrão das classes FMP, com  a classe Q1 a ser muito mais participada e onde ocorreram as maiores lutas pelas melhores classificações.  Entre os pilotos Q1-FUN, Nuno Ferreira com nove voltas realizadas e um 10º posto da geral venceu a classe. Também com nove voltas cumpridas terminaram Ricardo Duarte em segundo e a apenas vinte e dois segundos do vencedor e Hugo Carlos já mais distante com quase dois minutos e meio de desvantagem. Nuno Ferreira

Na classe Q2 Fun apenas dois participantes terminaram classificados - Tiago Ramalhinho em primeiro lugar e Ruben Marmou em segundo.Tiago Ramalhinho

Nos veteranos a vitória foi para Rui Brás, que na geral terminou em 8º tendo participando na classe Q1 - FMP


Luis Pirralho, diretor da X-Adventure, entidade promotora do Troféu X-Trophy:

"Penso que tanto eu como a esmagadora maioria dos participantes saimos de Ponte de Sor muito satisfeitos com a prova.  Sendo esta uma segunda edição da prova neste local e com este organizador (Radical Club de Ponte de Sor), creio que são notórias as melhorias face à prova do ano passado.  Tentou-se corrigir as falhas da primeira edição e melhorar em tudo quanto foi possivel. É claro que não existe a prova perfeita, mas esta correu bastante bem, sendo esta uma opinião concesual entre todos incluindo as autoridades e os parceiros do evento.
Tivemos aqui uma pista que foi exigente para os pilotos, com alguns pontos um pouco mais complicados devido á água e a lama, mas de um modo geral todos conseguiram lidar bem com essas dificuldades.  As provas foram as duas muito disputadas, com o troféu a mostrar uma vitalidade muito satisfatória, atraindo tanto os pilotos amadores como os melhores da modalidade e garantindo um excelente espetaculo para o publico presente.
Penso que desde que sejam dadas condições aos participantes eles comparecem em bom número, e o exemplo disso são os moto quatro que pareciam ter desaparecido em outras competições mas pelo menos aqui comparecem em bom número.
Quero deixar uma palavra de agradecimento em primeiro lugar aos muitos participantes que aqui estiveram, e depois à organização e aos seus parceiros pelo trabalho aqui realizado e pelo esforço que fizeram para melhorar face à primeira edição.
Termino lembrando que o troféu continua dia 11 de Fevereiro em Coruche, numa prova já bem conhecida de todos, que terá algumas modificações face a 2017 mas que irá manter no seu conjunto todas as caracteristicas que tem sido do agrado de todos quantos lá vão correr."


As classificações completas e demais informações sobre o Troféu X-Trophy podem ser encontradas no site oficial em www.x-trophy.com

O X-Trophy Ponte de Sor 2018 foi organizado pelo Radical Club de Ponte de Sor, com o apoio do Município de Ponte de Sor e da União de Freguesias de Ponte de Sor, Tramaga e Vale de Açor.

O X-Trophy é um troféu promovido pela X-Adventure,  com o apoio da Federação de Motociclismo de Portugal, do TR4 Digital, do Todoterreno.pt e da Rally-Raid Network.